ISOMORFISMO NORMATIVO: influência das instituições na construção do perfil do Administrador

Luís Phillipe da Silva Inglat, Elines Tatianes Pereira dos Santos, Célio da Silva Pupo Junior

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar o processo de institucionalização do perfil do administrador a partir do isomorfismo normativo, observado principalmente na adoção de políticas de profissionalização. Na primeira parte, é feita uma revisão na literatura sobre a Teoria Institucional e uma reflexão dos debates dos seus principais autores. Analisam-se as influências estrangeiras na construção do modelo “brasileiro” de administração e o papel das instituições na concepção do perfil do administrador brasileiro. Na segunda parte, são analisadas três entrevistas de executivos, retiradas de um jornal online com a finalidade de verificar como o processo de isomorfismo normativo se dá por meio das organizações. E por fim, os resultados sugerem um comportamento de homogeneização no perfil do administrador, que parece ser recorrente em diferentes organizações e se mantém como mecanismo de legitimação no campo organizacional.

Palavras-chave


Teoria Institucional; Isomorfismo; Organização; Administrador brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Lilian B.; Andrade, J. O.; NETO, A. C.; TANURE, B.; CARRIERI, A. P. O Isomorfismo entre Executivos nas Maiores Empresas Brasileiras. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 3, p. 95-107, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, p. 27-71, 1994.

BERTERO, Carlos Osmar et al. Os desafios da produção de conhecimento em administração no Brasil. Cadernos EBAPE. BR, v. 11, n. 1, p. 181-196, 2013.

CALDAS, Miguel P. Santo de casa não faz milagre: condicionantes nacionais e implicações organizacionais da fixação brasileira pela figura do “estrangeiro”. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, p. 73-93, 1997.

CAPES. Boletim Capes, n. 72, 1958.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F.; GOULART, S. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista de Administração Pública, v. 39, n. 4, p. 849-874, 2005.

CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO - CFA. Pesquisa Nacional: Perfil, formação, atuação e oportunidades de trabalho do profissional de administração. Brasília: CFA, 2015.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74-89, 2005.

DUARTE, Danielle V.; TAVARES, B. Institucionalismo e Determinações Governamentais: Evidências de Isomorfismo em Empresas de Base Tecnológica. ENAPG - Encontro de Administração Pública e Governança, 2012, Salvador. ENAPG 2012, 2012.

FISCHER, Tânia. O ensino de administração pública no Brasil, os ideais de desenvolvimento e as dimensões da racionalidade. Dissertação de Doutorado. São Paulo: USP, 1984.

GUARIDO FILHO, E. R.; MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONCALVES, S. A. Institucionalização da teoria institucional no contexto dos estudos organizacionais no Brasil. XXXIII Encontro da ANPAD (EnANPAD), São Paulo, 2009.

GONDIM, Sônia Maria Guedes. Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com a formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Estudos de psicologia, v. 7, n. 2, p. 299-309, 2002.

GRANT, J.; MILLS, A. The quiet Americans: formative context, the Academy of Management Leadership, and the management textbook, 1936-1960. Management & Organizational History, v. 1, n. 2, p. 201-224, 2006.

HUGHES, E. C. The ecological aspect of institutions. American Sociological Review, v. 1, n. 2, p. 180-189, 1936.

MCLAREN, P.; MILLS, A. A product of “his” time? Exploring the construct of the ideal manager in the Cold War era. Journal of Management History, v. 14, n. 4, p. 386-403, 2008.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, Mar. 2012.

______. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MOTTA, Fernando C. Prestes; ALCADIPANI, Rafael; BRESLER, Ricardo B. A valorização do estrangeiro como segregação nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. SPE, p. 59-79, 2001.

______. A questão da formação do administrador. Revista de Administração de Empresas, v. 23, n. 4, p. 53-55, 1983.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Vozes, 2007.

PATTON, Michael Quinn. Qualitative evaluation and research methods. SAGE Publications, inc, 1990.

PECI, Alketa. A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 1, p. 1-12, 2006.

RAFFAELLI, R., GLYNN, M. A. Institutional innovation: Novel, useful, and legitimate. Boston College Chestnut Hill, MA, 2013.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. Thousand Oaks: Sage 2. ed., 2001.

______. Institutions and organizations: Ideas and interests: Sage Publications, 2008.

SERVA, Maurício. A importação de metodologias administrativas no Brasil-uma análise semiológica. Revista de Administração Pública, v. 26, n. 4, p. 128-144, 1992.

______. Contribuições para uma teoria organizacional brasileira. Revista de Administração Pública, v. 24, n. 2, p. 10-21, 1990.

SELZNICK, P.. Leadership in Administration: A Sociological Interpretation. Berkeley: University of California Press, 1957.

SCHAPIRO, Mario Gomes. Paradigma da dotação institucional. In: SCHAPIRO, Mario Gomes. Governança administrativa, dinâmica institucional e financiamento industrial no Brasil: novos parâmetros, velhos problemas, FGV, São Paulo, 2010.

VIEIRA, Marcelo M.F. Por uma (boa) pesquisa qualitativa em administração. In: VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; Zouain, Deborah Moraes. Pesquisa qualitativa em administração, FGV, Rio de Janeiro, 2004.

WANDERLEY, Sergio. Estudos organizacionais, (des) colonialidade e estudos da dependência: as contribuições da Cepal. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 2, p. 237, 2015.




DOI: https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v10i2.194

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Foco (Journal of Business Studies and Law), e-ISSN: 1981-223X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.