ABSENTEÍSMO: análise através do custo-efetividade

Roberto Rodney Ferreira Junior

Resumo


Este artigo objetivou identificar por meio de indicadores, o custo-efetividade entre um absenteísmo organizacional existente e a medida adotada para superá-lo. Para a realização deste estudo, optou-se pela técnica metodológica da pesquisa bibliográfica, fundada na revisão de literatura, com base em textos selecionados e estudados. O resultado da pesquisa permitiu observar que tanto o atraso e as faltas do trabalhador ao trabalho, por motivos intervenientes quanto às alternativas de superação adotadas, incorrem em custos para a empresa, necessitando, portanto, que o setor de finanças, analise e calcule o custo efetividade entre o absenteísmo existente e a medida de superação utilizada, para então identificar o custo-benefício e decidir pela alternativa mais adequada. Assim posto e nesse aspecto, pôde-se concluir que a diferença entre o custo do absenteísmo e do custo da alternativa adotada, representará o custo-efetividade do(s) indicador(es). Resta, portanto, analisar o custo-benefício de cada alternativa adotada em relação ao custo do absenteísmo, verificando a medida mais adequada a ser tomada.

Palavras-chave


Absenteísmo; Gestão de Pessoas; Análise do Custo-Efetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, A. G. C. Absenteísmo na Organizações: O Caso da Saúde Excelsior Ltda. Recife: Fundação de Ensino Superior de Olinda – FUNESO, 2009.

BASTOS, A.V.B.; BRANDÃO, M.G.A.; & PINHO, A.P.M. Comprometimento Organizacional: Uma Análise do Conceito Expresso por Servidores Universitários no Cotidiano de Trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 2, n. 1, pp. 97-120, 1997.

CARVALHO, A.G. Gestão do Absenteísmo. Disponível em: http://www.fiec.org.br/palestras/saude/sst280411/Grimaldi/Absenteismo.pdf. Acesso em: 06. Out. 2015.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: O Capital Humano das Organizações. 8ª. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: O Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999.

CONSTANTINO, C.O.R. Como Sobreviver às Crises de Preço na Cafeicultura. Maio/2010. Disponível em: http://acenpp.blogspot.com.br/2010/05/como-sobreviver-as-crises-de-preco-na.html. Acesso em: 18. Out. 2015.

DIAS, M. Absenteísmo em Contact Center: Estudo de Caso com Preditores Micro e Macro-Organizacionais. [Dissertação de Mestrado em Psicologia Aplicada, Universidade Federal de Uberlândia]. Uberlândia/MG: UFU, 2005.

FEDERIGHI, W.J.P. Absenteísmo em Hospitais. Rev. Mundo Saúde. v. 26, nº. 2, pp. 283-294, jun./ 2002.

FERREIRA JÚNIOR, R.R. Estresse e Absenteísmo no Ambiente Hospitalar. Montes Claros: Unimontes, 2012.

FIDELIS, G. J.; BANOV, M. R. Gestão de Recursos Humanos: Tradicional e Estratégico. São Paulo: Ética, 2006.

FOSECA JÚNIOR, A.R.; PICKART, T.I.; SILVA, S.R.; VIEIRA, C.A.; SOUZA, T.P. Organizational Behavior Management: Uma Análise do Absenteísmo. Rev. Transformações, v. 3, nº. 2, 2005.

FRANCESCHINI, A. C. T. Psicologia Organizacional e a Análise do Comportamento. Transformações em Psicologia, v. 2, nº. 2, pp. 112-123, 2009.

GRAÇA, L. Iniciativas para Reduzir e Prevenir o Absenteísmo por Incapacidade para o Trabalho (Working Paper). 1999. In: PENATTI, I.; ZAGO, J.S.; QUELHAS, O. Absenteísmo: As Conseqüências na Gestão de Pessoas. III SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Out./2006. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos06/898_Seget_Izidro%20Penatti.pdf. Acesso em: 06. Set. 2015.

KOTLER, Philip. Marketing para o Século XXI: Como Criar, Conquistar e Dominar Mercados. São Paulo: Futura, 2000.

LANDAU, J. C. The Impact of a Change in an Attendance Control System on Absenteeism and Tardiness. Journal of Organizational Behavior Management, v. 13, nº. 2, p. 51-70, 1993.

MARINHO, Í. Fundamentos de Enfermagem. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAi1QAD/fundamentos-enfermagem. Acesso em: 28. Fev. 2016.

MARRAS, J.P. Administração de Recursos Humanos: Do Operacional ao Estratégico. São Paulo: Futura, 2000.

MINAYO M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10ª. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

PENATTI, I.; ZAGO, J.S.; QUELHAS, O. Absenteísmo: As Conseqüências na Gestão de Pessoas. III SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Out./2006. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos06/898_Seget_Izidro%20Penatti.pdf. Acesso em: 06.Ago.2015.

POLIT D. F; HUNGLER B. P. Fundamentos em Pesquisa de Enfermagem. 3ª. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

RASSI JR, A. Economic Analysis of Drug-Eluting Coronary Stents in Brazil: A Choice for all or just for a few Patients? Arq. Bras. Cardiol. v. 88, nº. 4, pp. 276-377, 2007.

SILVA, D.M.P.P.; MARZIALE, M.H.P. Absenteísmo de Trabalhadores de Enfermagem em um Hospital Universitário. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 8, n.5, pp. 44-51, 2000.

TADAIESKY, L.T. Métodos de Seleção de Pessoal: Discussões Preliminares sob o Enfoque do Behaviorismo Radical. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28, nº. 1, pp. 122-137, 2008.

TERENCE, N. C. F. Planejamento Estratégico como Ferramenta de Competitividade na Pequena Empresa: Desenvolvimento e Avaliação de um Roteiro Prático para o Processo de Elaboração do Planejamento. (Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção). São Carlos/SP: Universidade de São Paulo – USP, 2002.

YAMADA, M. Estresse e Absenteísmo nas empresas do Século XXI. Biblioteca de Ciências da Saúde, 53. 2003. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=387600&indexSearch=ID. Acesso em: 29.Fev.2016.




DOI: https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v10i2.185

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Foco (interdisciplinary studies), e-ISSN: 1981-223X

Rua Ibicuí, 333. Jardim Presidente Dutra, Guarulhos-SP (Brasil). Cep: 07173-020.

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.