A EDUCAÇÃO PRODUTIVA E A PRODUTIVIDADE DA EDUCAÇÃO: consequências do produtivismo acadêmico

Renner Coelho Messias Alves, Victor Miranda de Oliveira, Loreane da Silva Francisco

Resumo


Entende-se que, na atual conjuntura, o produtivismo acadêmico desafia a continuidade da educação universitária face ao seu espírito original. Assim, o crescimento das publicações de trabalhos acadêmicos, por vezes, não reflete um aumento da capacidade emancipatória dos atores envolvidos no contexto educacional, ainda que envolvam discentes de programas de pós-graduação. Diante disso, este artigo busca contrapor a educação produtiva e emancipatória ao produtivismo da educação implementado no ensino superior brasileiro nos últimos anos. A relevância desta pesquisa consiste na proposta de reflexão sobre alterações de regras relacionadas ao campo acadêmico. Metodologicamente, a investigação ocorreu no fim do primeiro semestre de 2016. Além disso, utiliza-se neste artigo a revisão da literatura sobre o fenômeno aqui tratado, com consultas aos dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Também se faz um levantamento quantitativo da publicação de artigos na última década em três revistas científicas brasileiras e, por fim, uma entrevista com um coordenador de um programa de mestrado em administração no Estado do Rio de Janeiro. Ao concluir, acredita-se que a essência da educação emancipatória é comprometida frente ao atual sistema produtivista.

Palavras-chave


Educação produtiva; Produtivismo da educação; Emancipação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e emancipação. 3. ed. Tradução de Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

ALCADIPANI, R. Resistir ao produtivismo: uma ode à perturbação acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 4, opinião 3, Rio de Janeiro, dez. 2011.

BARBOSA, M. G. Educação e ambiguidades da autonomização: para uma pedagogia crítica da promoção do indivíduo autónomo. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 63, p. 995-1.008, dez. 2015.

BARSOTTI, P. D. Produtivismo acadêmico: essa cegueira terá fim? Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 115, p. 587-590, abr.-jun. 2011.

BIANCHETTI, L.; VALLE, I. R. Produtivismo acadêmico e decorrências às condições de vida/trabalho de pesquisadores brasileiros e europeus. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 82, p. 89-110, jan.-mar. 2014.

CADERNOS EBAPE.BR (CADERNOS EBAPE.BR). Página inicial. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

CAPPELLETTI, I. F. Os conflitos na relação avaliação e qualidade da educação. Educar em Revista, Curitiba, n. spe. 1, p. 93-107, 2015.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, set.-dez. 2003.

CHAVES, V. L. J. Expansão da privatização/mercantilização do ensino superior brasileiro: A formação dos oligopólios. Educação & Sociedade, v. 31, p. 481-500, 2010.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da Educação Superior: regulação e emancipação. In: Avaliação institucional da educação superior: fontes externas e internas. Avaliação, Campinas, v. 3, n. 4, p. 29-35, dez. 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

FREITAS, M. E. O Pesquisador hoje: entre o artesanato intelectual e a produção em série. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 4, opinião 1, dez. 2011.

FREIRE, P. Ação cultura para a libertação. Lisboa: Moraes Editores, 1976.

______. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GAJANIGO, P. Ensino e Democracia numa universidade sob a lógica produtivista: relato pessoal. Revista Intratextos, v. 4, n. 1, p. 1-7. 2013.

GHOSHAL, S. Bad management theories are destroying good management practices. Academy of Management Learning & Education, v. 4, n. 1, p. 75-91, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisab3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MCCRAKEN, G. The long interview. Londres: Sage Publications, 1988.

NASCIMENTO, E. M. et al. Variáveis que influenciam a escolha dos estudantes por cursos de pós-graduação lato sensu a distância na área de negócios. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 8, n. 1, p. 73-95, 2014.

NICOLINI, A. Qual será o futuro das fábricas de administradores. Revista de Administração de Empresas (RAE), v. 43, n. 2, p. 44-54, 2003.

OLIVEIRA, F. B.; SAUERBRONN, F. F. Trajetória, desafios e tendências no ensino superior de administração e administração pública no Brasil: uma breve contribuição. Revista de Administração Pública (RAP), v. 41, n. spe., p. 149-170, 2007.

ORGANIZAÇÕES & SOCIEDADE (O&S). Sobre. Disponível em: . Acesso em: 16 de jun. 2016.

PATRUS, R.; DANTAS, D. G.; SHIGAKI, H. B. O produtivismo acadêmico e seus impactos na pós-graduação stricto sensu: uma ameaça à solidariedade entre pares? Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 1, jan.-mar. 2015.

PAULA, A. P. P.; RODRIGUES, M. A. Pedagogia Crítica no Ensino da Administração: Desafios e Possibilidades. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v. 46, p. 10-22, Edição Especial Minas Gerais, 2006.

PLATAFORMA SUCUPIRA. Acesse a plataforma. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2016.

REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA (RAC). Apresentação. Disponível em: < http://www.anpad.org.br/periodicos/content/frame_base.php?revista=1>. Acesso em: 15 jun. 2016.

REZENDE VERGARA, M. Contexto e conceitos: história da ciência e vulgarização científica no Brasil do século XIX. Interciencia, v. 33, n. 5, p. 324-330, 2008.

RODRIGUES, J. Os empresários e a educação superior. Campinas: Autores Associados, 2007.

RUAS, R.; COMINI, G. M. Aprendizagem e desenvolvimento de competências: articulando teoria e prática em programa de pós-graduação em formação gerencial. Cadernos EBAPE.BR, v. 5, n. spe., 2007.

SANDER, B. Gestão da educação na América Latina: construção e reconstrução do conhecimento. Campinas: Autores Associados, 1995.

SANTOS, B. S. La universidad en el siglo XXI: para una reforma democrática y emancipadora de la universidad. In: RAMÍREZ, R. (Coord.) Transformar la universidad para transformar la sociedad. Quito: SENESCYT, 2012.

SCHWANDT, T. Constructivist, interpretativist approaches to human inquiry. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). The landscape of qualitative research: theories and issues. London: Sage, 1994. p. 221-259.

SILVA JR, J. R.; SGUISSARDI, V. Universidade pública brasileira no século xxi educação superior orientada para o mercado e intensificação do trabalho docente. Espacios en Blanco - serie indagaciones, Tandil, v. 23, n. 1, p. 119-156, jun. 2013.

SIQUEIRA, A. C. O. O plano nacional de pós-graduação 2005-2010 e a reforma da educação superior do governo Lula. In: SIQUEIRA, A. C.; NEVES, L. M. W. (Orgs.). Educação Superior: uma reforma em processo. São Paulo: Xamã, 2006. p. 107-124.

SOKAL, A.; BRICMONT, J. Imposturas intelectuais: o abuso da ciência pelos filósofos pós-modernos. Rio de Janeiro e São Paulo: Record, 1999.

SPINK, P. K.; ALVES, M. A. O campo turbulento da produção acadêmica e a importância da rebeldia competente. O&S, Salvador, v. 18, n. 57, p. 337-343, abr.-jun. 2011.

TENÓRIO, F. G. Tem razão a administração? 4. ed. rev. e ampl. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2016.

TREIN, E.; RODRIGUES, J. O mal-estar na academia: produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48 set.-dez. 2011.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

WANDERLEY, S. Estudos organizacionais, (des)colonialidade e estudos da dependência: as contribuições da Cepal. Cadernos EBAPE. BR, v. 13, n. 2, 2015.

WOOD JR., T.; PAULA, A. P. P. O fenômeno dos MPAs brasileiros: hibridismo, diversidade e tensões. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v. 44, n. 1, p. 116- 129, mar. 2004.




DOI: https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v10i2.184

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Foco (Journal of Business Studies and Law), e-ISSN: 1981-223X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.