DISCUTINDO RELAÇÕES DE GÊNERO ENTRE DISCENTES E DOCENTES A PARTIR DAS COLABORAÇÕES DE SIMONE DE BEAUVOIR E PIERRE BOURDIEU

Cristiano das Neves Bodart, Claúdia Paes Borba, Andreia de Almeida Fernandes, Kamille Ramos Torres, Shenia Frigulha

Resumo


Busca-se por meio deste artigo discutir as relações de gênero no Ensino Superior, mas especificamente entre discentes e docentes. Para tanto, foi realizada uma pesquisa com docentes de uma instituição superior privada localizada na Região Metropolitana da Grande Vitória-ES, sendo a estes aplicados questionários fechados. Objetiva-se, a partir das colaborações teóricas de Bourdieu e Beauvoir, discutir a percepção dos docentes dos
sexos masculinos e femininos quanto às relações entre professor-aluno. Identificou-se que mesmo que o Ensino Superior, campo investigado pela pesquisa, caracterize-se como “menos masculino”, a coleta de campo evidenciou que existem momentos em que a desigualdade entre gênero torna-se mais evidente.

Palavras-chave


Gênero; Docência; Dominação; Bourdieu; Beauvoir.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 9º edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010 [1990].

_________________. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo cientifico. Tradução: Denice Barbara Catani. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

________________. Pierre Bourdieu avec Löic Wacquant: réponses. Paris: Seuil, 1992.

________________. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

_________________. Esboço de uma teoria prática. Tradução das partes: "Les trois modes de connaissance" e "Structures, habitus et pratiques", por Paula Montero. In: Esquisse d'une théorie de Ia pratique. Geneve, Lib. Droz, p. 162-89, 1972.

BEAUVOIR, Simone de. A força das coisas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2009 [1963].

_________________. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2 v. 1980 [1949].

BURAWOY, Michael. As antinomias do feminino: Beauvoir encontra Bourdieu. In:

___________. O Marxismo encontra Bourdieu. Organizador: Ruy Gomes Braga Neto; tradução, referencias e notas de Fernando Rogério Jardim. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2010.

FEMENÍAS, María Luisa. A Critica de Judith Butler a Simone de Beauvoir. Sapere Aude. Belo Horizonte, v.3, n.6, p.310-339, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 de agos. 2016.

INEP. Trajetória da Mulher na Educação Superior Brasileira: período de 1991 a 2004. Brasília: MEC; Governo Federal do Brasil, 2007.

TRIGO, Maria Helena Bueno. Habitus, Campo, Estratégia: uma leitura de Bourdieu. Cadernos Ceru, 1998. Disponível em: Acesso em: 22 de junho de 2016.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. A teoria do habitus em Pierre Bordieu: uma leitura contemporânea. São Paulo: Revista Brasileira de Educação, 2002. Disponível em: Acesso em: 22 de junho de 2016.

SIMONS, M. “Introduction”. In: ____________. (ed.). Feminist interpretations of Simone de Beauvoir. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 1995.

WACQUANT, Loic. Esclarecer o Habitus. São Paulo: Educação & Linguagem, 2007. Disponível em: < https://www.metodista.br/revistas/revistasims/index.php/EL/article/view/126/136> Acesso em: 22 de junho de 2016.




DOI: https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v10i1.174

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Foco (Journal of Business Studies and Law), e-ISSN: 1981-223X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.