A CARREIRA DA MULHER: uma análise da produção científica brasileira

Luana Sodré da Silva Santos

Resumo


Este artigo teve como objetivo identificar e analisar artigos em que o tema carreira fosse o objeto principal do estudo, publicados em periódicos associados à Scientific Periodicals Electronic Library (SPELL) e na SCIELO (Scientific Eletronic Library Online), no campo da administração. Por meio da análise de conteúdo, na articulação da revisão teórica com a empírica, emergiu a categoria de análise carreira da mulher. Após a identificação e classificação desses artigos, publicados entre os anos 2010 e 2017, os mesmos foram organizados em planilhas, e os dados, tabulados de forma a permitir visualizar: 1) número de publicações por periódico e por ano; 2) temáticas abordadas; 3) os periódicos que mais utilizavam esta perspectiva teórica; 4) as principais metodologias utilizadas. Entre os resultados encontrados foi possível observar que, nos últimos 7 anos, a produção acadêmica sobre carreira da mulher não teve um número expressivo de publicações, sendo a maioria delas baseada em profissionais mais tradicionais, como executivas e gestoras, havendo poucos estudos voltados para outras categorias profissionais, como profissionais da área de saúde, professores, profissionais autônomos etc, o que indica um campo de pesquisa a ser explorado pelos pesquisadores brasileiros. Aponta-se a necessidade de se desconstruir a noção de carreira como uma gestão individual e masculinizada, assim como o diálogo com várias áreas do saber, ampliando a dimensão da carreira para a mulher.

Palavras-chave


Carreira; Mulheres; Bibliometria.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTHUR, M. B. The boundaryless career: a new perspective for organizational inquiry. Journal of organizational behavior, v.15, n.4, p.295-306.

BEZERRA, S. A. C.; VIEIRA, A. Dilemas e desafios vividos por mulheres que migraram em função do trabalho do cônjuge. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 6, p. 216-243, 2013.

CANABARRO, J. R. D. S.; SALVAGNI, J. Mulheres líderes: as desigualdades de gênero, carreira e família nas organizações de trabalho. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 2, p. 88-110, 2015.

CARVALHO NETO, A. M.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE-eletrônica, v. 9, n. 1, art. 4, p. 1-23, 2010.

CEZAR, B. G. S.; SCHERER, L. A.; CORSO, K. B. Empoderamento Feminino na Carreira de Mulheres Docentes: Estudo em uma Universidade Federal do Interior do Rio Grande do Sul. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 7, n. 1, p. 440-455, 2017.

CHANLAT, Jean-François. Quais carreiras e para qual sociedade? (I). Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 13-20, Jan/Fev/Mar 1995.

DUBAR, Claude. Trajetórias sociais e formas identitárias: alguns esclarecimentos conceituais e metodológicos. Educação & Sociedade, v.19, n.62, p.13-30, 1998.

DUTRA, Joel Souza. A gestão de Carreira. In: FLEURY, Maria Teresa Leme (org.). As pessoas na Organização. São Paulo: Gente, 2002.

FERRAZ, R. R. N.; MONKEN, S.; SANTOS, M. N. L. Carreira no setor produtivo pelo contingente feminino. Impactos nos modelos da saúde do trabalhador. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 3, n. 3, p. 74-80, 2013.

GAULEJAC, Vincent de. La névrose de classe. Trajectoire sociale et conflits d´identité. Avant-propos de Max Pagès. Paris: Hommes & Grouos Editeurs, 1987.

GONÇALES, A. L. Uso de resumos e palavras-chave em Ciências Sociais: uma avaliação. Encontros Bibli, v.13, n.26, p.78-93, 2008.

HALL, D. T.; MOSS, J.E. The new protean career contract: helping organizations and employees adapt. Organizational Dynamics, v.26, n.3, p.22-36, 1996.

HIRATA, Helena. A precarização e a divisão internacional e sexual do trabalho. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n 21, jan/jun. 2009, p.24-41 Disponível em . Acesso em: 26 abr 2015.

IBGE. O estudo Mulher no mercado de trabalho: Perguntas e Respostas. 2017. Disponível em:http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/ pme_nova/ Mulher_Mercado_Trabalho_Perg_ Resp.pdf. Acesso em: 29 de novembro, 2017.

LEMOS, A. H. C.; MELLO, G. R.; GUIMARÃES, M. F. Gerações produtivas e carreiras: o que as mulheres da Geração Y querem?. Revista de Administração da UFSM, v. 7, n. 1, p. 135-152, 2014.

LIMA, Gustavo Simão; et al. O teto de vidro das executivas brasileiras. Pretexto, Belo Horizonte, v.14, n.4, p.65-80 out/dez, 2013.

LUCCHI, M.; BARROS, J. F. Mudanças de política salarial na Pierre Alexander Cosméticos: o dilema de Gerusa. Tecnologias de Administração e Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 152-167, 2013.

MAYRHOFER, W.; MEYER, M.; STEYER, J. Contextual issues in the study of careers. In: INKSON, K.; SAVICKAS, M. (Eds.) Career Studies. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 2012.

MINAYO, M.C.S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n.3, p.621-626, 2012.

NASCIMENTO, A. N. H. Z. Concepção de Maternidade para Mulheres Executivas: Uma Questão Contemporânea. In: Anais… EnGPR, Curitiba, Brasil, 2017.

OLIVEIRA, I. G S. de; Presença feminina nos Conselhos e Diretorias de Grandes Corporações. Apenas uma questão de gênero? In: Anais… EnGPR, Curitiba, Brasil, 2017.

OLIVEIRA, K. B.; LOPES, G. S. C.; WATANABE, M.; YAMAGUCHI, C. K.; DUARTE, R. Estudo do Empoderamento na Perspectiva de Mulheres Líderes . Revista Pretexto, v. 16, n. 4, p. 82-99, 2015.

OLIVEIRA, A. R.; GAIO, L. E.; BONACIM, C. A. G. Relações de gênero e ascensão feminina no ambiente organizacional: um ensaio teórico. Revista de Administração da UFSM, v. 2, n. 1, art. 4, p. 80-97, 2009.

ROCHA, J. B.; KUBO, E. K. M.; LEITE, N. R. P.; FARINA, M. C.; OLIVA, E. C. Percepção de sucesso na carreira da mulher executiva brasileira. Revista de Administração da Unimep, v. 12, n. 3, p. 47-72, 2014.

ROCHA-DE-OLIVEIRA, S.; FRAGA, A. M. Tempo, Contexto, agência e sentido: retomando classe social para a discussão de carreira. In: Anais… EnGPR, Curitiba, Brasil, 2017.

SÁ, P. F. de; LEMOS, A. H. da C.; CAVAZOTTE, F. de S. C. N. Expectativas de carreira na contemporaneidade: o que querem os jovens profissionais? Revista ADM.MADE, Rio de Janeiro, ano 14, v.18, n.2, p.8-27, maio/agosto, 2014.

SANTOS, Marina Miranda Lery; ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Mulheres na Força Aérea Brasileira: um estudo sobre as primeiras oficiais aviadoras. Estud. psicol. (Natal), Natal , v. 15, n. 3, p. 259-267, Dec. 2010 . Available from .

SCHULZ, Rosangela; MORITZ, Maria Lúcia. Mulheres vitoriosas na política: estudo comparativo entre as candidaturas ao cargo de deputado estadual no RS em 2010.Sociologias, Porto Alegre , v. 17, n. 39, p. 370-402, Aug. 2015 . Available from .

SOUZA, E. M.; CORVINO, M. M. F.; LOPES, B. C. Uma análise dos estudos sobre o feminino e as mulheres na área da Administração: a produção científica brasileira entre 2000 a 2010. Organizações & Sociedade, v. 20, n. 67, p. 603-621, 2013.

SPINELLI-DE-SÁ, J. G., LEMOS, A. H. Da C.Sentido do Trabalho: uma Análise da Produção Científica Brasileira. In: Anais… EnANPAD, Belo Horizonte, MG, Brasil, 2015.

TOLFO, S. R. A carreira profissional e seus movimentos. Psicologia: Organização e Trabalho, v.2, n.2, p.39-63.

OIT. World Employment and Social Outlook: Trends for women 2017. Disponível em: http://www.ilo.org/global/research/global-reports/weso/trends-for-women2017/WCMS_557245/lang--pt/index.htm Acesso em 29 nov 2017.

VACLAVIK, M. C.; PITHAN, L. H.; SCHERER, L. A.; CHAGAS JÚNIOR, S. R. O. Carreira: um panorama das abordagens sobre o tema nos eventos da ANPAD nos últimos vinte anos. In: Anais… EnGPR, Curitiba, Brasil, 2017.

VAN DER HEIJDEN, B.; DE VOS, A. Sustainable careers: introductory chaper. In: VAN DER HEIJDEN, B.; DE VOS, A. Handbook os Research on sustainable careers. Cheltenham: Edward Elgar, p.1-9, 2015.




DOI: https://doi.org/10.21902/jbslawrev.%20foco.v10i3.145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Foco (Journal of Business Studies and Law), e-ISSN: 1981-223X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.